sexta-feira, 25 de março de 2011

MERKEL ESTÁ A MAIS NUMA UE SEM LIDERANÇAS ARROGANTES





A chanceler (primeira-ministra) alemã, Angela Merkel, intromete-te descaradamente na vida politica interna de Portugal, dos seus actos políticos parlamentares, e todos os partidos nacionais calam-se, como se tratasse de um patrão ditatorial a actuar sob a sua empresa.


A primeira-ministra alemã exige que os partidos portugueses que rejeitaram o PEC IV, em decisão soberana da Assembleia da República portuguesa, apresentem "outras medidas que cumpram os objectivos fixados".


Com que autoridade se arroga a chefe do governo alemão para usar esta linguagem?


Aí de ti, português, se permites que sejas governado por arrogantes dirigentes que pretendem seguir o trilho dos arrogantes ditadores germânicos, como Hitler, de que Merkel é representante, como líder do Partido mais conservador da Europa, que, tal como a velha direita alemã, abriu caminho aos calamitosos partidos nazis, que submergiram a Europa e a arrastaram para a guerra!!!


Os partidos portugueses recusaram o PEC IV, como medida preventiva contra a especulação capitalista escandalosa, que tem centros dinamizadores como a Alemanha e os Estados Unidos da América, irmanados em serem, a nível mundial, os braços executivos de um sistema finnaceiro que somente tem levados os países e povos da Europa e dos EUA para a bancarrota, para a pobreza, para o retrocesso económico.


Merkel, como representante política dessa faccção da burguesia capitalista, está a mais num governo harmónico e integrado de uma União Europeia, que se pretende como modelo de uma unificação federal, sem supremacias políticas ou territoriais.


E isto tem de se lançado à sua cara, sem mais delongas, nem cumplicidades.

Sem comentários:

Publicar um comentário