quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

COM PAPAS E BOLOS SE ENGANAM OS TOLOS


Última hora: Cavaco Silva e a mulher estão a viver do Rendimento Social de Inserção.


A Presidência da República fez uma divulgação em grande de um comunicado inserido no portal oficial do Palácio de Belém: CAVACO SILVA PRESCINDE DO SEU VENCIMENTO COMO PR.

E porque fez isto? Fê-lo de livre vontade?


Não, porque, durante a campanha eleitoral para a Presidência da República, que terminou a 21, foi acusado de acumular vencimentos atrás de vencimentos, juntando sinecuras do facto de ser político (ex-PM), com duas reformas e ainda o vencimento do cargo de Chefe de Estado. Um pecúlio que o anti-político Cavaco Silva juntou, justamente, por ser político e que arrecadava e juntava, qual formiguinha calada, ultrapassando os 17 mil euros - ou seja, no dinheiro antigo, quase quatro mil contos...

E tinha a lata de, em plena campanha, dizer, no fundo, que estava mal pago, porque "sustentava" a mulher, antiga professora universitária, que marido o dizia, somente recebia a "miséria" de 800 euros, porque só trabalhou meia dúzias de anos.


Agora, segundo o comunivado, Cavaco Silva decidiu prescindir do salário que recebe por ocupar o cargo de Presidente da República, no valor ilíquido de 6 526 93 euros mensais, a partir de Janeiro deste ano.

O actual Presidente fica, no entanto, a receber duas pensões, cujo montante total atinge os dez mil euros por mês.

"Nos termos da legislação aprovada pela Assembleia da República, o Presidente da República decidiu prescindir, a partir de 1 de Janeiro de 2011, do seu vencimento, no montante ilíquido de 6 523 93 euros", refere um comunicado divulgado no portal oficial da Presidência da República.

A decisão de Cavaco Silva foi tomada depois de ter sido aprovada, no Parlamento, uma lei que põe fim à acumulação de pensões com vencimentos do Estado a partir de Janeiro deste ano.

Cavaco Silva fica a receber, desta forma, apenas as suas duas pensões, a de professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e a de reformado do Banco de Portugal, cujo valor total supera os dez mil euros mensais.

Coitado, porque não optou pelo ordenado mais baixo de Presidente, ficando assim a contribuir para o pagamento da crise que percorre o país, que ele ajudou a desenvolver e a ramificar-se?

Resposta: Porque é amigo dos pobres e, assim, recebe pelo valor mais alto que pode sacar do Estado: Ou seja cerca de DOIS MIL CONTOS, pelo dinheiro antigo.

Grande patriota. Não é?

Sem comentários:

Publicar um comentário